31.12.04

Ex-quase-futuras-resoluções

Listas de resolução são uma das tradições mais toscas do fim de ano, principalmente porque o autor da lista costuma esquecer ou ignorar as próprias resoluções. Quando chega dezembro, só resta à pobre alma reescrever a mesma lista do ano anterior, como um verdadeiro sísifo. Por isso, é muito interessante ver uma lista que não foi esquecida e, mais ainda, passou por uma conferência de todos os itens, como fez o Yeoman, do Blogzine. Inspirado pelas resoluções/revoluções dele, resolvi fazer a minha própria lista para encerrar o ano já com metas firmadas para 2005 (como se já não soubesse que tudo vai mudar no meio do caminho). Talvez daqui a doze meses apareça aqui uma prestação de contas sobre minhas resoluções (isso se essa porcaria de blog ainda existir até lá).

1. Fazer a monografia de conclusão de curso.
Preciso arranjar tempo e forças para concluir essa maldita monografia. Preciso ter em mente que não tenho nenhum anel energético verde, então a minha força de vontade não fará o texto se escrever sozinho.

2. Aproveitar melhor o tempo.
Tá faltando tempo no meu dia. Será que alguém tem algum sobrando? Quem sabe dormindo menos. Ouvi dizer que tem gente que fica muito bem dormindo 3 horas por dia...

3. Arranjar um trabalho que dê prazer.
Essa deve ser a mais fácil, pois já existe algo mais ou menos encaminhado. Em breve, novidades sobre o Cultura Interativa.

4. Arranjar um trabalho que dê grana.
Não precisa ser o mesmo que o anterior (e provavelmente não será). Mas se desse pra conciliar as duas coisas, melhor.

5. Ler mais, ler melhor.
Li bastante coisa esse ano, mas quero conhecer mais os clássicos (universais e da minha área de interesse). Também seria bom ler no meu próprio canto, pra variar. Tem livros que li inteiros em meios de transporte, mas que nunca foram abertos em casa.

6. Amar mais as pessoas que amo. Ignorar quem? Sei lá, esqueci.
Amar, cuidar e proteger quem merece. O resto pode continuar sua marcha rumo ao nada.

7. Escrever mais, sendo ou não publicado.
Alguns textos PRECISAM ser escritos. O fato de ninguém ler não invalida a sua existência.

8. Escrever mais para esta lixeira de tempo.
Não importa pra quantos veículos e pessoas se escreva, tem coisa que não cabe em lugar nenhum. O lugar dessa tralha é aqui.

9. Ter mais contatos e menos amigos.
Parece estranho, mas é isso mesmo. Preciso ampliar a minúscula rede de conhecidos, além de acionar os contatos inativos. A segunda parte é porque fiz tantos amigos nesse ano que deixei antigos e caros amigos um pouco de lado. Devo me concentrar em quem realmente importa, sejam antigos ou recentes. O resto will turn around, como dizia um amigo meu.

10. Controlar melhor os gastos.
Mais saúde e cultura, menos pão e circo.

11. Farejar as oportunidades.
Existe a hora ter cautela e existe a hora de correr o risco. Preciso acertar o relógio...

12. Ganhar a Mega-Sena acumulada.
Precisa explicar por quê?

13. Ser menos supersticioso.
Ih, olha o 13 aí...

Por fim, quero deixar como lembrete a mim mesmo e a todos os que visitarem esta porcaria um poema com o qual cruzei neste ano que termina e que serve como hiper-resolução. A primeira vez que o vi, ele estava em uma antiga história do Flash e falava sobre o sentido de responsabilidade em Barry Allen. O poema se chama "If" e o autor é Rudyard Kipling, o mesmo de The Jungle Book. O interessante é que um trecho de If é citado pelo alucinado personagem de Dennis Hopper em Apocalypse Now ao falar sobre o Coronel Kurtz. Por aí já se pode ver que não é qualquer bobagem. Leiam o poema (em inglês) na íntegra abaixo e descubram se estão à altura.

If

If you can keep your head when all about you
Are losing theirs and blaming it on you;
If you can trust yourself when all men doubt you,
But make allowance for their doubting too;
If you can wait and not be tired by waiting,
Or, being lied about, don't deal in lies,
Or, being hated, don't give way to hating,
And yet don't look too good, nor talk too wise;

If you can dream - and not make dreams your master;
If you can think - and not make thoughts your aim;
If you can meet with Triumph and Disaster
And treat those two imposters just the same;
If you can bear to hear the truth you've spoken
Twisted by knaves to make a trap for fools,
Or watch the things you gave your life to, broken,
And stoop and build 'em up with worn-out tools;

If you can make one heap of all your winnings
And risk it on one turn of pitch-and-toss,
And lose, and start again at your beginnings
And never breath a word about your loss;
If you can force your heart and nerve and sinew
To serve your turn long after they are gone,
And so hold on when there is nothing in you
Except the Will which says to them: "Hold on!";

If you can talk with crowds and keep your virtue,
Or walk with kings - nor lose the common touch;
If neither foes nor loving friends can hurt you;
If all men count with you, but none too much;
If you can fill the unforgiving minute
With sixty seconds' worth of distance run,
Yours is the Earth and everything that's in it,
And - which is more - you'll be a Man, my son!


Rudyard Kipling

29.12.04

Alimentando o feed

Quando falei do Sage, esqueci de mencionar que este humilde blog também utiliza um recurso para feed, mas não é o famoso RSS. É o Atom, que vem como opcional do Blogger. Fácil de ativar, o recurso gera um endereço do Ex-quase-futuro próprio para ser lido nesse tipo de visualização.

Na prática, ele avisa quando tem conteúdo novo aqui, pra você não ter que ficar voltando toda hora (como se alguém fizesse isso...). Muito útil aqui, onde atualizações são inconstantes como o humor do Gollum. E muito interessante para aqueles blogueiros e donos de sites que se preocupam em ter leitores, não visitas, pois o recurso permite ao freqüentador do blog/site receber uma prévia do que é o texto/matéria nova, conferindo somente se desejar.

Ganha o leitor, que não perde tanto tempo navegando; ganha o autor, cujos textos serão lidos por leitores interessados e fiéis. Com isso, a ditadura das page views tende a acabar, da mesma forma como os anúncios em pop-up vêm sumindo por conta da ação dos bloqueadores.

Sugiro que os colegas blogueiros, particularmente os que utilizam o Blogspot, ativem o recurso e façam os seu leitores mais felizes. Fiquem ligados, pois pode estar nascendo uma nova forma de se encarar a navegação na internet.

27.12.04

Flogando e andando

Faz tempo que venho querendo falar sobre uma febre (no pior sentido) entre os internautas brasileiros: o fotolog. Aquilo que começou como uma versão fotográfica dos blogs acabou se tornando uma espécie de vitrine de pessoas para a maioria dos donos de flog. Não por acaso, o veículo é chamado de "egolog" por algumas pessoas.

Entretanto, esse "colunismo virtual" não é o único uso de um fotolog. Assim como um blog pode ser um jornal em tempo real, um espaço para um escritor divulgar seu trabalho ou um caderno onde meninas de 15 anos contam o que fizeram ao longo do dia, o flog é exatamente o que o flogger quiser que ele seja. Graças ao talento de pessoas que souberam utilizar o veículo com inteligência, existem muitos flogs que servem como portfólio de fotógrafos amadores, desenhistas, cartunistas ou pessoas que reúnem fotos sobre um determinado tema (vi certa vez um muito bacana sobre jardins em espaços urbanos). Pena que para cada um dos flogs realmente interessantes, existam centenas sobre "a festa em que estive ontem", "mulher gostosa", séries de TV ou imagens de algum anime qualquer capturadas na internet.

Mas o que acho curioso é a avalanche de brasileiros que possuem um ou mais flogs. Prova disso é que o serviço precursor da onda já criou um limite diário de entrada exclusivo para brasileiros e que novos serviços nacionais têm surgido aos montes. Curioso porque o fenômeno não ocorreu também com os blogs, tão gratuitos quanto. Talvez a explosão dos fotologs tupiniquins tenha como causa a nossa Sociedade da Imagem, em que a aparência é tão importante e uma imagem (bonita) vale mais do que mil palavras (sinceras). Ou talvez seja por estarmos no país do analfabetismo funcional, onde é perda de tempo se expressar através de palavras se é possível fazer isso de forma mais fácil e rápida tirando uma foto da própria cara/bunda e colocando na internet para receber os seus 100 comentários.

25.12.04

O Natal que não se vê na TV

Poucas coisas são mais incoerentes que falar de paz e harmonia no Natal. Pelo contrário, a proximidade do fim do ano traz a idéia de um fim de ciclo, um momento para resolver pendências antes que comece tudo de novo. Com o alto teor etílico da indesejável reunião familiar, aparecem as situações mal-resolvidas com os parentes, gerando brigas e ressentimentos de parte a parte. Junte a isso o gasto com os presentes, as ruas e lojas entupidas de gente histérica e as comidas de inverno no calor amazônico e você terá a data do ano com o maior potencial para aborrecimentos.

Já tinha notado tudo isso faz tempo, mas nunca tive um dado objetivo que comprovasse a observação. Isso até que, natais atrás, um médico na família disse que o Natal era a data com o maior número de atendimentos em PS. "Pior que o Carnaval?", perguntei. Segundo ele, o plantão natalino era pior que todo o feriado do Carnaval. Isso, explicou, porque é quando os desafetos se encontram e, sob influência do álcool, acabam perdendo a cabeça. Assim, não é incomum ver um filho baleado pelo pai ou uma mãe esfaqueada pela filha. Palavra de quem atende no hospital de um dos lugares mais barra-pesada da metrópole onde mora.

17.12.04

Partilhando coisas bacanas

Para ler:
Os Simpsons e a Filosofia, de William Irwin (e outros) - Partindo de exemplos desse desenho animado pós-moderno (e sem pretensões filosóficas), os autores discutem (muito por alto) questões da filosofia do nosso mundo pós-moderno. Engraçado, mas com uma tradução visivelmente feita às pressas. Leia se você curte o desenho e/ou filosofia básica. Compre somente se for fã do desenho.

Para assistir:
Mononoke Hime, de Hayao Miyazaki - O filme animado que antecedeu A Viagem de Chihiro. Ainda é inédito nos cinemas daqui, mas é bem fácil de achar na internet (e com legendas em português!). Uma história simples e envolvente, personagens carismáticos, animação de qualidade. A receita que a Disney esqueceu faz tempo. A interpretação dos animais nesse filme faz O Rei Leão parecer novela mexicana.

14.12.04

Take back the web

Depois de uma série de indicações vindas dos mais diversos lugares, resolvi pesquisar um pouco sobre duas novidades (pelo menos pra mim) muito faladas recentemente: RSS e Firefox. Muita navegação depois, descobri que poderia experimentar as duas coisas ao mesmo tempo. Aproveitando o intervalo entre algumas obrigações, resolvi arriscar e instalar o navegador Mozilla Firefox em português. E não é que o "panda vermelho" cumpre tudo o que promete?!

A principal facilidade para os usuários que não entendem tanto de internet é a migração instantânea do Internet Explorer para o Firefox. Seus favoritos, cookies e demais dados são imediatamente copiados. É como se fosse um navegador "plug n' play", saca?

Outro recurso muito legal é a navegação por abas. Você pode ter todas as páginas na mesma janela e ir migrando de uma pra outra através das abas. Elas são tão finas quando a barra de endereços e não atrapalham a navegação. Poderia citar outras vantagens, como o bloqueador de pop-ups, a pesquisa inteligente e outras firulas, mas quero destacar uma característica bem legal do Firefox.

Lembra quando o ICQ se tornou um programa grande demais? Pra atender a demanda de todos os usuários, o ICQ se tornou um pacotão do tipo X-tudo-com-tudo-o-que-tem-direito-e-capricha-no-molho! Só que isso deixou muito insatisfeitos aqueles usuários que só queriam trocar mensagens de texto. A solução: um pequeno programa básico pronto para receber os opcionais que o dono desejar. O Firefox é assim também. O pacote inicial é bem levinho e posteriormente você pode instalar os plugins e extensões que quiser. Um bom exemplo de "extra" é o Adblock, que faz exatamente o que o nome diz: bloqueia anúncios das páginas da internet, tornando a navegação mais limpa e menos confusa.

Porém, a melhor extensão é o Sage. Sabe o tal RSS mencionado lá no início? A grosso modo, trata-se de uma ferramenta para sites que permite que, com o programa adequado, o internauta seja avisado quando há atualização de conteúdo e possa ver uma prévia do que há de novo. Assim, você só visita um site/blog/canal de notícias quando/se houver algo do seu interesse. E o Sage com isso? Essa extensão faz o Firefox funcionar também como agregador de RSS, poupando o tempo que seria gasto em visitas desnecessárias. Praticidade, teu nome é Firefox.

Pra não dizer que tudo é perfeito, tive uns problemas de conflito com o Velox. Resolvi essa parte simplesmente habilitando novamente o IE como navegador padrão. Acredito que exista um modo de configurar harmonicamente a conexão e o navegador, mas a preguiça me levou a fazer a gambiarra mais fácil.
E você, tá esperando o quê pra baixar o seu Firefox?

10.12.04

O teaser dourado


Parecia impossível superar a bizarrice original, mas acho que Tim Burton conseguiu. Essa é a impressão que se tem ao ver o primeiro teaser do vindouro "A Fantástica Fábrica de Chocolate". Divertido e estranho, como um filme do Burton deve ser, e com Johnny Depp personificando perfeitamente Willy Wonka.
Não espere mais! Pegue agora mesmo o seu bilhete dourado!