17.5.04

Por falar em tiras...

Alguém poderia me explicar por que cargas d'água os policiais são chamados de "tiras" nas dublagens dos filmes?
Você já viu alguém na rua falando "olha os tiras aí na blitz!" ou um bandido gritando "sujou, os tiras chegaram!"? Então de onde surgiu essa designação "tiras"? Em algum ponto do Brasil se fala ou se falou assim algum dia?
Dúvidas, dúvidas...

Qualidade em pequenas doses

A internet é um espaço democrático? Mais ou menos. Mas é bem mais democrático do que outros meios, ao menos quando falamos em quadrinhos. Principalmente a forma mais popular de quadrinhos: as tiras (ou tirinhas). Hoje em dia qualquer Zé Ruela pode abrir um blog e publicar coisas que ninguém vai ler (hã, isso parece familiar...). Para os quadrinistas, essa é uma oportunidade (talvez a única) de ter sua tira publicada em algum veículo. Novatos e astros das HQs dividem espaço na internet, onde o público flui de um site pra outro sem compromisso, fazendo com que as tiras boas e desconhecidas sejam quase tão lidas quanto as famosas. Seguem abaixo algumas recomendações minhas.

Existem sites que compilam tiras alheias, apesar de não produzir nenhuma. Eles prestam um serviço ao leitor por reunir alguns bons quadrinhos no mesmo lugar. Um desses sites é o Indigo City Sunset, que também faz a tradução dos textos de outras línguas para o português, uma ajuda sempre bem-vinda. Depois de uma breve reforma, o Indigo está no ar novamente, trazendo Peanuts, Garfield e Calvin, entre outras, todas em português.

Lá no Indigo, conheci a tira Striptease, sobre jovens envolvidos na produção de uma HQ independente. Muito legal pra quem se identifica com esse mundo. Em Inglês.

Tenho uma certa antipatia por fotologs (em breve falarei mais sobre eles), mas alguns criadores de tiras fazem dos flogs o veículo para suas tirinhas. Um exemplo é o Metade, já citado por aqui. Outro é o Oswaldo Augusto, um peixe bem esquisito criado por Daniel Pinheiro Lima.

Liberty Meadows é uma clínica veterinária que trata dos problemas físicos e psicológicos de animais que parecem muito com seres humanos. Essa série (agora sendo publicada pela Image) é uma criação do insano Frank Cho. No site oficial, pode-se conferir a bela arte de Cho e ainda ler a versão original das tirinhas que foram censuradas na época da publicação original (acreditem, são muitas!). As tiras recentes podem ser vistas neste site, mas só as dos últimos sete dias. Lendo Liberty Meadows você vai entender o verdadeiro significado de "porco chauvinista". Em inglês.

Um que não pode faltar nessa lista é o bom e velho Garfield. Prestes a completar 26 anos, o gato mais preguiçoso do mundo continua tendo a melhor tira de todos os tempos, na minha opinião. Na página oficial, você pode se cadastrar e receber uma tirinha no seu e-mail todo dia. Em inglês.

Nerd-tiras. Geralmente os quadrinistas são nerds, o que faz com que essa pequena parcela da população seja muito bem representada nas HQs em geral e nas tiras em particular.
Em MegaTokyo, a cultura pop japonesa é mostrada de uma maneira muito divertida. Aconselhável para quem gosta de mangás, animês e videogames japoneses. Em inglês.
PvP (Player vs. Player) mostra o cotidiano de uma redação de uma revista do tipo Ação Games (aliás, ela ainda existe?). Mais indicado para os nerds gamers. Em inglês.
Finalmente, aquela que é hoje a minha favorita. Dork Tower mistura todos os tópicos da cultura nerd: quadrinhos, RPG, filmes, séries de TV, videogames e o que mais um nerd quiser. Em inglês.

Can't Do It In Real Life? Do It On Ex-Quase-Futuro.

O fantástico slogan acima foi o que recebi ao digitar o nome do blog no site The Advertising Slogan Generator. Dependendo da palavra/expressão digitada e do slogan sorteado, podem aparecer frases muito engraçadas ou apropriadas, como no caso acima.
E, para aqueles que vivem perguntando pra que serve o Orkut, aviso que foi lá que recebi a dica dessa página bacana. Então, já posso dizer que não é algo tão inútil assim, apesar de ainda não ser útil também...

Super-Hermano

"Você conhece a história. Você conhece o mito. Agora conheça a juventude do rapaz que se transformaria em um símbolo para milhões de pessoas no mundo inteiro." Chamada de Smallville? Mais ou menos.
Estou falando de Diários de Motocicleta, um filme que conta um pouco da juventude de Ernesto Guevara, que mais tarde se tornaria o Che, uma espécie de Super-Homem de esquerda. Não que o jovem Ernesto tenha visão de calor ou coisa do tipo, mas há semelhanças entre "Diários" e Smallville.
Pra começar, os dois protagonistas são jovens que, ao crescer, se tornariam parte do imaginário coletivo do século XX. O fato de um deles ser real e o outro uma obra de ficção não importa. Apenas a fantasia criada em torno deles já é o suficiente para transformar ambos em mito. Isso sem mencionar a enorme venda de camisas dos dois...
Mostrar detalhes da juventude do homem antes que ele se tornasse uma lenda é um grande atrativo para os admiradores. A indústria do entretenimento sabe bem disso. Sherlock Holmes e Hércules, por exemplo, são personagens que já foram mostrados em sua juventude. Acredito que Walter Salles, corretamente, colocou em seu filme referências a acontecimentos futuros, parte do jogo de reconhecimento que tanto agrada aos espectadores. Assim como nas citações aos quadrinhos feitas em Smallville, Salles mostra em Ernesto certos traços de personalidade que no futuro seriam parte integrante do mito de Che Guevara. Algumas dessas referências podem até fugir ao conteúdo do diário real que serviu de base para o filme, mas tal licença é permitida, já que o filme também é uma obra de ficção. Longe de mostrar a realidade, apresenta apenas uma versão romanceada de uma história de vida que ganhou toques de lenda.
Ver o filme e gostar é parte do jogo. Aceitar a lenda como realidade é como acreditar que um homem pode voar.

7.5.04

Frase do dia

"Hoje me chamam Aleijadinho, mas a posteridade me fará justiça."
A frase de hoje veio diretamente do blog do excepcional (no sentido em que você preferir) Arnaldo Branco, que por sua vez pegou emprestada a frase de um cartum do Jaguar.

Você viu essas pessoas?

Entre as diversas pessoas que conheci recentemente, é difícil não deixar de notar certos padrões de comportamento que se repetem, criando uma imagem meio caricata de alguém que ainda não se conhece muito bem. Ao encontrar pessoalmente pessoas com quem já trocava idéias através da internet, não pude deixar de notar que dois deles lembravam muito personagens vistos tempos antes. Os personagens em questão são obra de um cartunista de Salvador (cujo nome não sei) que publica em seu fotolog as tirinhas do personagem "Metade". Já as "contrapartes reais" não serão reveladas. Cada um pense o que quiser.

Mais do Metade aqui.

Momento de reflexão: escrever ou não escrever?

Durante um tempo, tentei escrever em períodos (mais ou menos) regulares de tempo. Foi algo que exigiu muito de mim, tanto em termos de esforço quanto de tempo gasto na tarefa. A resposta a tudo isso foi ínfima.
Talvez pela pouca reação apresentada (quase nenhuma, pra dizer a verdade), fui escrevendo em intervalos cada vez maiores. Qual não foi minha surpresa quando, há pouco menos de um mês, percebi que as visitas estavam aumentando. Não somente isso, as pessoas estavam saindo do armário e assumindo que visitavam esta latrina virtual. De onde viria tamanho ímpeto, tamanha coragem?
Um dado novo surgiu na semana passada, quando participei de um encontro nerd promovido pelos blogs Melhores do Mundo e Teia do Aranha. Nos dias após o encontro, um novo aumento nas visitas sem que fosse acrescentada uma única linha de texto ao Ex-quase-futuro. O que poderia ter acontecido?
A explicação para isso é que os blogueiros que antes ignoravam (com razão) este espaço, agora conhecem o "dono da casa" e acabam visitando o blog num ato de solidariedade. Isso me leva a concluir que onde não obtive êxito escrevendo e sendo chato, consegui alguma coisa simplesmente não fazendo nada. O que traz duas questões preocupantes: será que escrevo tão mal que é melhor não escrever nada? E a pior: será que era simpático e não sabia?

A escrita não é nossa amiga

Algumas pessoas me perguntam por que demoro tanto para colocar novos textos no blog. Elas não entendem que não posso simplesmente cuspir um texto e achar que vai ficar bom (porque não vai). Alguns, como o Eudes, até conseguem fazer isso muito bem, mas não é o meu caso. Estou longe de ser um "escritor de um fôlego só".
Para fazer as pessoas entenderem isso de uma forma bem-humorada, coloco essa tirinha de Dork Tower (uma das melhores tiras da atualidade) que ilustra bem a questão. Um aviso: a tira é em inglês e NÃO vou traduzir, por isso não peçam.

Vocês podem encontrar mais tiras de Dork Tower aqui.

Os deuses devem estar loucos

Já faz um tempo que o Ex-quase-futuro recebeu mil visitas. Prova de que hoje em dia qualquer porcaria tem audiência. Mesmo assim, para oferecer um pouco de conforto às pobres almas que se aventuraram nessas mal-escritas linhas, resolvi fazer uma promoção não-divulgada: daria para o milésimo visitante a segunda temporada completa de ER - Plantão Médico em DVD.

Infelizmente, o milésimo visitante foi este que vos escreve, o que me obrigou a ficar com o prêmio. Se serve de consolo, digo que gostaria de dividir essa conquista com todos vocês. Obrigado a todos os perdedores pela visita e voltem sempre.