27.2.04

As partes de um todo

Recebi, por e-mail, a seguinte frase, atribuída a Maria Rita Kehl: "Se os homens afirmam que vêm na mulher antes de mais nada belos contornos, considero isso como um empobrecimento de sua capacidade de olhar e ver. Estou convencida de que nosso olhar sabe encontrar no homem sinais do que ele é, além dos contornos de sua musculatura."
Minha opinião: se o antes de mais nada quis dizer somente, concordo com ela. Agora, se o antes de mais nada quis dizer primeiramente, então discordo pra cacete. Entre as infinitas características que tornam a mulher diferente do homem (e melhor que ele), estão também os belos contornos. Se, utilizando o sentido da visão (vale lembrar que a visão é o sentido que capta estímulos a maiores distâncias, por isso é o primeiro que age sobre o mundo, antes dos outros), o homem capta os belos contornos, estimulando nele a vontade de interagir com aquele ser diferente e especial através de seus outros sentidos e da linguagem (a capacidade genuinamente humana), então aquelas formas e curvas que chamaram a sua atenção serviram para valorizar aquele ser, não o contrário. Separar e valorizar só o "corpo da mulher" (machismo) ou a "mente da mulher" (feminismo) é desvalorizar toda a mulher, que vale mais do que a soma de suas partes. Esse feminismo é um machismo às avessas e não ajuda em nada a melhorar a relação entre os gêneros. Como disse Grégório de Mattos: O todo sem a parte não é todo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário