13.12.03

Um pouco de sonhos e realidades

Acredito em tudo. Não nas pessoas, discursos, instituições. Pra esse tipo de coisa sou bem cético e até um pouco cínico. Mas acredito no que sinto à minha volta. Ou seja, acredito naquilo que os meus sentidos captam e transmitem pra mim como sendo a realidade. Acredito em luzes, perfumes, cores, salgados, fedores, formas, quentes, palavras, texturas, frios, ruídos, doces, altitudes ou qualquer outro estímulo que recebo.
Além disso, sou extremamente adaptável (até um pouco blasé) ao ser jogado em uma situação qualquer. Não faço muitas perguntas, não demonstro surpresa. Acho que isso é parte do instinto do macho de não se mostrar vulnerável, o que faz, por exemplo, a gente não pedir informação quando está perdido.
A combinação entre acreditar no mundo à minha volta e tentar levar qualquer situação como coisa normal me faz acreditar nos sonhos. Não importa que seja na selva africana ou numa cidade futurista. Quando lá me vejo (e ouço e cheiro), lá estou.
Um caso similar acontecia com o personagem de quadrinhos apropriadamente batizado de Acesso. O cara era um carteiro do universo Marvel, mas quando dormia se tornava um carteiro do universo DC. Qual era sonho, qual era realidade? Nem ele sabia. Li em algum lugar que esse personagem foi baseado em um famoso conto de ficção científica. (Se alguém conhecer o tal conto, favor me mandar um e-mail.)
A situação toda é estranha porque posso viver vidas completamente diferentes e uma passa a afetar a outra. Porque se o sonho é formado por imagens derivadas do período desperto, também o mundo acordado é afetado por imagens do sonho. Muitas vezes um sonho ruim (mesmo que não me lembre dele) me deixa nervoso até a hora de dormir novamente. E quando o sonho começa a incluir nascimentos, mortes, vôos espaciais e mergulhos em águas profundas, a coisa começa a ficar preocupante.
Nas últimas semanas, tenho sonhado muito com morte. Conhecidos, desconhecidos, grande quantidade, casos isolados, guerra, brigas. Por algumas delas, fui o responsável. Nas outras, fui testemunha. Em todos os casos, tudo muito real. Poderia ser o meu superego me azucrinando por não estar fazendo, nos momentos despertos, tudo o que deveria. Mas não sei se o superego pode afetar os sonhos, região dominada pelo id. De qualquer forma, as coisas só tendem a piorar depois de ler Sandman: Noites Sem Fim, que pretendo adquirir em breve. Espero conseguir acordar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário